quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Terapia Nutricional na Esclerose Lateral Amiotrófica

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa, progressiva que causa fraqueza muscular, perda da massa muscular, atrofia muscular, disfagia e dificuldade respiratória. A sobrevida dos indivíduos com ELA varia entre 2 a 5 anos e normalmente ocorre entre 55 e 75 anos.

As causas da ELA ainda são desconhecidas, alguns estudos mostram que esta doença pode estar relacionada com morte celular por agressão auto-imune nos canais de cálcio e incremento de cálcio intra-celular, infecção viral, estresse oxidativo, danos por radicais livres, excesso de metais pesados,  neurotoxicidade por glutamato, disfunções nas mitocôndrias.

Um estudo realizado demonstrou que o consumo alto de gordura  e de glutamato estão associados a maior incidência de ELA, e o alto consumo de fibras está relacionado a menor incidência. Outro estudo demonstrou que a ingestão de vitamina E e ácidos graxos polinsaturados está relacionada com a diminuição do risco entre 50 e 60% de desenvolver ELA. 

Os indivíduos com ELA apresentam uma diminuição da ingestão alimentar, perda de peso e massa muscular, diminuição do apetite, dificuldade de mastigação e deglutição, dificuldades respiratórias e depressão, por isso, a terapia nutricional deve ser iniciada no início da doença. A desnutrição piora a sobrevida destes pacientes.

A terapia nutricional tem como objetivo evitar a perda de peso e de massa muscular, manter o equilíbrio e oferta de calorias, carboidratos, proteínas, lipídios, vitaminas e minerais de acordo com as necessidades de cada um, modificar a consistência da dieta para melhorar a aceitação e diminuir o risco de aspiração, melhorar a qualidade da dieta e dos alimentos consumidos. 

O uso de suplementos alimentares e a indicação precoce de nutrição enteral são uma alternativa para retardar a perda de peso, manter o estado nutricional e diminuir a perda da musculatura respiratória. A nutrição enteral via gastrostomia é um alternativa que mantém a vida social do paciente, pois a dieta pode ser administrada em horário noturno.  

O acompanhamento nutricional é fundamental para os pacientes com ELA. Fique sempre atento a qualquer alteração nutricional, perda de peso, diminuição da ingestão, perda de apetite, lentidão para comer e engasgos.
Procure uma nutricionista, faça um plano alimentar individualizado e ganhe mais qualidade de vida com ELA.

Sites recomendados:
 
Consulta:
Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Portaria SAS/MS no 496, de 23 de dezembro de 2009.Esclerose Lateral Amiotrófica
A importância do atendimento muldidisciplinar a pacientes com doença do neurônio motor/esclerose lateral amiotrófica. Salvioni CCdS et al. ConsScientiae Saúde, 2009;8(2):211-217.
Suplementação Nutricional em pacientes com doença do neurônio motor/escletose lateral amiotrófica. Patrícia Stanich. Revista Neurociências V14 N2 (supl-versão eletrônica) abr/jun, 2006.  
Population-Based Case-Control Study of Amyotrophic Lateral Sclerosis in Western Washington State. II. Diet. Am J Epidemiol 2000; 151:164-73.
J Neurol Neurosurg Psychiatry 78:367-371 doi:10.1136/jnnp.2005.083378 Intake of polyunsaturated fatty acids and vitamin E reduces the risk of developing amyotrophic lateral sclerosis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário